Morcemrest® Repair

Argamassa de reparação R4 monocomponente de alta resistência para grandes espessuras.
Produto à base de cimento sulforresistênte, agregados selecionados e aditivos, reforçado com fibras.

 

1504-3 - R4 COV GBC

Download da ficha técnica


Informação adicional

Composição

Argamassa de reparação classe R4 de acordo com a EN-1504-3
Grande aderência ao betão e elevado módulo.

Caracteristicas e aplicações

  • Tixotrópico, sem descolar em aplicações de tetos.
  • Permeável ao vapor de água.
  • Boa resistência a cloretos.
  • Resistente a ciclos de gelo-degelo.
  • Enchimento de juntas entre secções de betão, elementos pré-fabricados e juntas de dilatação.
  • Retração compensada para minimizar o risco de fissuração.
  • Alta resistência à carbonatação.
  • Resistente à intempérie.
  • Reparações de elementos estruturais como por exemplo: colunas, vigas de ponte, unidades de tratamento,
  • túneis, pilares com grande transferência de carga.
  • Regeneração de betão.
     

Suportes

  • O suporte deverá estar são, limpo, isento de gorduras, óleos, pó e partes mal coladas (resistência a tração mínima de 1,5 MPa)
  • Caso seja necessário, realizar uma preparação do mesmo utilizando de preferência meios mecânicos e deixar a descoberto o betão saudável.
  • Os suportes absorventes humedecer-se-ão previamente até os saturar, evitando o encharcamento. aplicar MORCEMREST REPAIR assim que a superfície adquirir um aspeto fosco.
  • No caso de existirem armaduras, deverão estar limpas de óxido, gorduras, óleos e outras partículas mal coladas.
  • Se estiverem oxidadas, proceder-se-á à sua limpeza com jato de areia ou através de escova de arame metálica. Proteger da corrosão com IMPLAREST C.
  • Em uniões de parâmetros verticais e horizontais, expandir a junta de união cortando-a até cerca de 10 mm de largura com uma serra radial, eliminando posteriormente o material cortado.

Modo de emprego

Mistura de argamassa:

  • Adicionar aos 2/3 de água prevista e misturar progressivamente a totalidade do pó enquanto se vai removendo. Posteriormente, adicionar a água restante e misturar durante 2 minutos mais. Não preparar mais material que se vai utilizar durante 30 minutos (a +20ºC).

Aplicação:

  •   Aplicar MORCEMREST REPAIR com talocha ou projetado com pistola, pressionando para assegurar a adesão e compactar o material com firmeza.
  •   O MORCEMREST REPAIR pode ser aplicado em várias camadas, sendo a espessura mínima por camada de 5 mm. Em superfícies verticais podem ser aplicadas espessuras de até 50 mm sem ajuda de cofragens. Em superfícies horizontais, a espessura máxima é de 100 mm.
  •   Em uniões de parâmetros verticais e horizontais preencher completamente a largura da junta.

Cura:

  •   Proteger do vento, gelos e do sol durante o endurecimento. Para evitar a desidratação excessiva é conveniente tapar a superfície mediante serapilheiras húmidas ou plásticos durante a cura.
  • A operação de cura é imprescindível em todos os casos.

Precauções e recomendações

  • Não voltar a amassar ou adicionar mais água à argamassa do que a recomendar
  •   Não aplicar abaixo de 5ºC, nem acima de 30ºC.
  •   Não adicionar cimento, areia ou outras substâncias que possam afetar as propriedades do material
  •   Os utilitários e ferramentas limpar-se-ão com água imediatamente depois do seu emprego, para evitar o endurecimento do material que terá de ser eliminado com meios mecânicos.
  •   Consultar o Departamento Técnico para qualquer aplicação não especificada nesta Ficha Técnica.
  •   Para todas as informações relativamente a segurança no manuseamento, transporte, armazenamento e utilização do produto, consultar a versão atualizada da Folha de Segurança do produto.
     

Apresentação

MORCEMREST REPAIR apresenta-se em sacos de 25 Kg.
Armazenamento até 1 ano na embalagem original fechada, longe de intempéries e de humidade.

 

Dados técnicos

REQUISITOS R4 DADOS DO PRODUTO
Aspeto Pó CINZENT
Densidade da massa Aprox. 2.0±0.1 gr/cm³
Granulometria Dmáx 2 mm
Espessura da Camada 5 mm mín. 50 mm máx.
Resistência à compressão 28 dias >45Mpa
Conteúdo de cloretos (EN 1015) ≤ 0,05%
Adesão (EN 1542) ≥ 2 N/mm²
Resistência à carbonatação(EN 13295) ddk ≤ betão de controlo tipo MC (045)
Módulo de elasticidade (EN 13412) ≥ 20 GPa
Absorção capilar (EN 13057) ≤ 0,5 kg·m-² x h-½
Compatibilidade térmica parte 1  
(EN 13687-1) ≥ 2 N/mm²
Ciclos de arrefecimento brusco a partir de temperatura elevada (50 ciclos)  
(EN 13687-2) ≥ 2 N/mm²
Compatibilidade térmica parte 4:  
Ciclos térmicos a seco (50 ciclos)  
(EN 13687-4) ≥ 2 N/mm²
CURVA RESISTENCIA  
Compressão: (EN 12190)  
1 dia ≥ 20 N/mm²
7 dias ≥ 35 N/mm²
28 dias ≥ 45 N/mm
Flexotração: (EN 12190)  
28 dias ≥ 7 N/mm
Tempo de vida da mistura 20 - 30 minutos
Água de amassar 15±1%
Rendimento em massa 2.2 Kg/m²/mm espessura
Classificação de acordo com a EN 1504-3:2006 R4
Tipo CC

Marcação CE

GRUPO PUMA SL
C) Conrado del Campo nº2 29590 Campanillas (Málaga)
17
Nº: 215205

En-1504-3
MORCEMREST REPAIR

Produto para reparação estrutural de betão com argamassa CC.
Para aplicações verticais sem cofragem. Admite espessuras de 5 a 50 mm na vertical e para aplicações horizontais espessuras de 5 a 100 mm.
(à base de cimento hidráulico polimerizado)

 
Resistência à compressão Classe R4
Conteúdo em iões de cloretos ≤ 0.05%
Adesão ≥2Mpa
Resistência à carbonatação Pasa
Módulo de elasticidade ≥ 20GPa
Compatibilidade térmica parte 1 ≥ 2 MPa
Absorção capilar ≤ 0.5 Kg.m-2h-0.5
Reação ao fogo A1
 

Nota

As instruções quanto à forma de utilização são realizadas de acordo com os nossos ensaios e conhecimentos e não pressupõem um compromisso do GRUPO PUMA nem isentam o consumidor do exame e verificação dos produtos para a sua correta utilização. As reclamações devem ser acompanhadas da embalagem original para permitir a rastreabilidade adequada.

O GRUPO PUMA não se responsabiliza, em caso algum, pela aplicação dos seus produtos ou soluções construtivas por parte da empresa aplicadora ou demais sujeitos intervenientes na aplicação e/ou execução da obra em questão, limitando-se a responsabilidade do GRUPO PUMA exclusivamente aos possíveis danos atribuíveis direta e exclusivamente aos produtos fornecidos, individuais ou integrados em sistemas, devido a falhas no fabrico dos mesmos.

Em qualquer caso, o redator do projeto de obra, a direção técnica ou o responsável da obra, ou subsidiariamente a empresa aplicadora ou outros sujeitos intervenientes na aplicação e/ou na execução da obra em questão, devem certificar-se da idoneidade dos produtos atendendo às características dos mesmos, bem como as condições, suporte e possíveis patologias da obra em questão.

Os valores dos produtos ou soluções construtivas do GRUPO PUMA que em cada caso sejam determinados pela norma UNE ou qualquer outra aplicável, referirem-se exclusivamente às condições expressamente estipuladas na dita normativa e que vêm referidos, entre outros, a determinadas características do suporte, condições de humidade e temperatura, etc. sem que sejam exigíveis ensaios obtidos em condições diferentes, tudo isto de acordo com o expressamente estabelecido na normativa de referência.