Pumafix TQP

Resina de injecção de dois componentes para ancoragens/fixações à base de resina de poliéster livre de estireno, multifuncional tanto para suportes maciços como ocos, de cura rápida.

GBC

Download da ficha técnica


Informação adicional

Composição

Resina de injecção de dois componentes para ancoragens/fixações à base de resina de poliéster livre de estireno, multifuncional tanto para suportes maciços como ocos, de cura rápida.

Caracteristicas e aplicações

  • Fixação de ancoragens químicas horizontais e verticais.
  • Adequado para suportes maciços e ocos.
  • Sem estireno; baixo odor.
  • Fácil de extrusão e injecção.
  • Tixotrópico, pode ser aplicado em direcção horizontal ou vertical.
  • Cura rápida.
  • Aplicável com pistolas convencionais.
  • Utiliza-se em betão, tijolos e blocos ocos de betão numa ampla gama de aplicações: fixação de portas, grades, corrimões, persianas, toldos, antenas, sinais, bandejas porta-cabos, maquinaria industrial,...

 

Suportes

  • Os suportes devem ser resistentes, estáveis, sãos e estar limpos, isentos de pó, restos de descofrante e produtos orgânicos. Não é necessário que tenham 28 dias de idade.
  • Se é desconhecido o estado do suporte, recomenda-se realizar ensaios de arrancamento para comprovar a idoneidade do suporte.
  • Uma vez realizada a perfuração no suporte, deve ser eliminado qualquer resto mediante ar comprimido ou um escovilhão redondo.
  • As varas roscadas e os redondos de aço têm de estar livres de óleos e gorduras.

Modo de emprego

INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO EM SUPORTES DE ALVENARIA MACIÇA

  • Mediante um berbequim realizar o buraco com o diâmetro e profundidade deacordo com a tabela de aplicação. Durante o processo de perfuração deve-se verificar a perpendicularidade do buraco no suporte.
  • Limpar o buraco de pó, fragmentos, óleo, água, gorduras e outros contaminantes antes da injecção da resina (com o soprador manual e a escova standard manual).
  • A limpeza do buraco deverá realizar-se em pelo menos 4 operações de sopro, 4 operações de escovagem seguidas de, no mínimo, 4 operações de soprar.
  • A vareta roscada deve estar livre de pó, gordura, óleos e outras impurezas.
  • Desenroscar a tampa do cartucho, enroscar a boquilha misturadora ao cartucho e colocar o cartucho na pistola.
  • No início de uso de um novo cartucho, rejeitar o primeiro material até que se obtenha uma cor homogénea do produto.
  • Preencher o buraco uniformemente desde o fundo, para evitar que fique ar ocluído, movendo lentamente a boquilha para fora.
  • Preencher 2/3 da profundidade do buraco com a resina.
  • Inserir a vareta roscada lentamente e com um ligeiro movimento de rotação, eliminando o excesso de resina injectada em torno da vareta roscada.
  • Aguardar o tempo de cura segundo a Ficha Técnica.
  • Não mover ou colocar carga na fixação até que finalize a cura da resina.


INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO EM SUPORTES DE ALVENARIAOCA/PERFURADA

  • Mediante um berbequim realizar o buraco com o diâmetro e profundidade de acordo com a tabela de aplicação. Durante o processo de perfuração deve-se verificar a perpendicularidade do buraco no suporte.
  • Limpar o buraco de pó, fragmentos, óleo, água, gorduras e outros contaminantes antes da injecção da resina (com o soprador manual e a escova standard manual).
  • A limpeza do buraco deverá realizar-se em pelo menos 4 operações de sopro, 4 operações de escovagem seguidas de, no mínimo, 4 operações de soprar. 
  • Antes da escovagem, deve-se limpar a escova e confirmar que o diâmetro da escova é o correcto.
  • A vareta roscada deve estar livre de pó, gordura, óleo e outras impurezas.
  • Escolher o tamanho correcto da bucha perfurada.
  • Desenroscar a tampa do cartucho, enroscar a boquilha misturadora ao cartucho e colocar o cartucho na pistola.
  • No início de uso de um novo cartucho, rejeitar o primeiro material até que se obtenha uma cor homogénea do produto.
  • Retirar a tampa da bucha de plástico perfurada.
  • Introduzir a bucha perfurada no buraco.
  • Preencher a bucha perfurada uniformemente desde o fundo, movendo lentamente a boquilha para fora: mover a boquilha 10 mm para fora cada vez que se pressione o gatilho.
  • Preencher completamente a bucha perfurada.
  • Colocar a tampa na bucha de plástico perfurada com a resina.
  • Imediatamente inserir a vareta roscada, lentamente e com um ligeiro movimento de rotação, eliminando o excesso de resina em torno da vareta roscada. 
  • Aguardar o tempo de cura segundo a Ficha Técnica.
  • Não mover ou colocar carga na fixação até que finalize a cura da resina.

Número de fixações por diâmetro de perfuração.

Fixação INSTALAÇÃO EM SUPORTES OCOS
Vareta Bucha perfurada 16/85 16/130
  280 ml 280 ml
M8 11 7
M10 11 7
M12 11 7
M16 - -
M20 - -

 

Fixação INSTALAÇAO DE VARETAS DE BETÃO
Vareta  
  280 ML
M8 65/75
M10 37/40
M12 22/25
M16 11/13
M20 5/6


Ver tabelas de aplicação para valores de profundidade e diâmetro do buraco

TABELA DE APLICAÇÃO PARA VARETAS EM SUPORTES OCOS

Fixação Instalação Cargas admissíveis
Boquilha

Classe
vareta
5.8

Diâmetro de
broca d0
Profundidade
broca
Profundidade
buraco hef
Binário
de aperto Tinst
Tijolos ocos
fcm: 4,50 MPa
Tijolos ocos de betão
fcm: 6,00 MPa
   


[mm]


[mm]


[mm]


[Nm]

Tracção
[kN]

Cizalhamento
[kN]

Tracção
[kN]

Cizalhamento
[kN]

16/85 M8 17 90 85 4 0,40 1,10 - -
16/85 M10 17 90 85 4 0,40 1,10 - -
16/85 M12 17 90 85 4 0,40 1,10 - -
                   
16/130 M8 17 135 130 4 - - 0,70 1,50
16/130 M10 17 135 130 4 - - 0,70 1,50
16/130 M12 17 135 130 4 - - 0,70 1,50

TABELA DE APLICAÇÃO PARA VARETAS EM BETÃO 

Fixação Instalação Resistência Cargas admissíveis
Classe vareta 5.8 Diâmetro de broca d0 Profundidade buraco h ef Distância standard  bordas CCr Distância standard fixações SCr Binário de aperto Tinst Resistência característica NRk Betão C20/25 Betão C20/25
 
[mm]

[mm]

[mm]

[mm]

[N.m]
Tracção
[kN]
Tracção
[kN]
Cizalhamento
[kN]
M8 10 80 80 160 10 14,7 4,9 5,8
M10 12 90 90 180 20 20,5 6,8 9,2
M12 14 110 110 220 40 34,6 11,5 13,4
M16 18 125 125 250 60 47,9 16,0 24,9
M20 24 170 170 340 100 81,4 27,1 39,2

Coeficiente de segurança para carga de tensão 3,0

Precauções e recomendações

  • Não aplicar com temperaturas inferiores a 5ºC nem superiores a 30ºC. Temperaturas superiores diminuem consideravelmente o tempo de vida da mistura.
  • Na colocação em obra os ajustes do produto são possíveis somente antes do endurecimento do PUMAFIX TQP.
  • A fixação deve ser colocada dentro do tempo aberto.
  • Durante o endurecimento da resina a fixação não deve ser movida ou colocada em carga (esperar o tempo necessário).
  • Conservar entre os 5ºC e os 25ºC.
  • Consultar o rótulo do produto. Para mais informação consultar a Ficha de Dados de Segurança. Respeitar as directivas e higiene no trabalho assim como as de eliminação de resíduos.

 

Apresentação

Cartuchos bicomponentes de 280 ml.
Armazenagem até 18 meses na sua embalagem original fechada, ao abrigo da intempérie, humidade e conservado entre os 5ºC e os 25ºC.

Dados técnicos

(Resultados estatísticos obtidos em condições padrão)

Densidade 1,80 Kg/dm³
Cor Cinza Claro (Comp. A: bege; Comp. B: preto)
Resistência à Compressão  (ASTM  D695) 3  N/mm²
Módulo de  Compressão  (ASTM  D695) 6300  N/mm²
Tempo aberto e velocidade de cura  
Temperatura de aplicação Tempo aberto Tempo de cura
5ºc 15 min. 120 min.
10ºC 12 min. 90 min.
20ºC 6 min.  45 min.
30ºC 3 min. 20 min.

 

Nota

As instruções quanto à forma de utilização são realizadas de acordo com os nossos ensaios e conhecimentos e não pressupõem um compromisso do GRUPO PUMA nem isentam o consumidor do exame e verificação dos produtos para a sua correta utilização. As reclamações devem ser acompanhadas da embalagem original para permitir a rastreabilidade adequada.

O GRUPO PUMA não se responsabiliza, em caso algum, pela aplicação dos seus produtos ou soluções construtivas por parte da empresa aplicadora ou demais sujeitos intervenientes na aplicação e/ou execução da obra em questão, limitando-se a responsabilidade do GRUPO PUMA exclusivamente aos possíveis danos atribuíveis direta e exclusivamente aos produtos fornecidos, individuais ou integrados em sistemas, devido a falhas no fabrico dos mesmos.

Em qualquer caso, o redator do projeto de obra, a direção técnica ou o responsável da obra, ou subsidiariamente a empresa aplicadora ou outros sujeitos intervenientes na aplicação e/ou na execução da obra em questão, devem certificar-se da idoneidade dos produtos atendendo às características dos mesmos, bem como as condições, suporte e possíveis patologias da obra em questão.

Os valores dos produtos ou soluções construtivas do GRUPO PUMA que em cada caso sejam determinados pela norma UNE ou qualquer outra aplicável, referirem-se exclusivamente às condições expressamente estipuladas na dita normativa e que vêm referidos, entre outros, a determinadas características do suporte, condições de humidade e temperatura, etc. sem que sejam exigíveis ensaios obtidos em condições diferentes, tudo isto de acordo com o expressamente estabelecido na normativa de referência.